Casa Cor 2019: sustentabilidade e o morar

A Casa Cor é a maior mostra das Américas que envolve arquitetura, paisagismo e design de interiores. O conceito desse ano foi “Planeta Casa”, uma visão de como podemos unir sustentabilidade e o morar.

Podemos perceber isso de uma maneira muito clara em todos os ambientes que entramos. O conceito morar de uma forma que una o ecologicamente correto e o conforto foi explorado de uma maneira muito rica.

Dos ambientes que mais gostamos na Casa Cor 2019, as partes em comum deles é que uniam a modernidade com sustentabilidade e ainda remetiam a cultura afro e baiana.

A Casa Dendê, projetada pelo arquiteto Nildo José, trouxe abundância de pedras, madeiras e outros elementos naturais. O ambiente é um tanto místico, trazendo referências religiosas da Bahia. Foi todo projetado em tons claros, com uma quantidade absurda de iluminação natural, o que deu muito mais conforto ao espaço.

Apesar disso, a riqueza mesmo ficou por conta dos detalhes: o sal grosso no chão perto da porta, os pequenos quadros dentro da cozinha, o quadro com a escrita “perdão”, tudo isso remete a uma extrema sensibilidade nesse ambiente.

O segundo lugar que mais gostamos foi a Casa Sumê, parceria do arquiteto Gustavo Neves com a LG. A casa une dois extremos:

-Extremamente rústico/ quase pré-histórico-  pois é feita com materiais orgânicos, como a terra batida, inclusive paredes e portas

-Elementos modernos- como adega, frigobar, TVs e o Style Steam Closet, um equipamento que cuida das suas roupas, passa, perfuma e tira odores ruins.

A preocupação com a natureza foi a estrela principal, pois todas as árvores e áreas verdes que existiam no local tiveram que ser mantidas pelos arquitetos e designers, inclusive se essas áreas caíssem dentro de um dos espaços.

Deixe uma resposta